Download Evelhecimento Saude Pessoa Idosa PDF

TitleEvelhecimento Saude Pessoa Idosa
Tags Family Old Age Health Promotion Ageing
File Size5.8 MB
Total Pages192
Document Text Contents
Page 1

CADERNOS DE
ATENÇÃO BÁSICA

MINISTÉRIO DA SAÚDE

Cadernos de Atenção Básica - n.º 19

Brasília - DF
2006

ENVELHECIMENTO
E SAÚDE

DA PESSOA IDOSA

Page 96

96
C

A
D

E
R

N
O

S
D

E
A
T
E

N
Ç

Ã
O


B

Á
S

IC
A

Quadro 17: Modelo de Diário Miccional

O exame físico consiste em uma avaliação abdominal, genital, pélvica (mulher),
retal e neurológica.

Tratamento

O processo diagnóstico pode identificar claramente o tipo e causa da
incontinência. Todos os fatores que possam precipitar uma incontinência transitória
devem ser avaliados e manejados.

Medidas gerais devem fazer parte da orientação de todas as pessoas com
incontinência e incluem:

• Evitar ingestão de grandes quantidades de líquidos quando não houver
disponibilidade de banheiros acessíveis.

• Evitar alimentos como cafeína e bebidas alcoólicas.

• Tratar adequadamente quadros de obstipação intestinal crônica.

NOME: IDADE:

HORÁRIO MOLHADO SECO MICÇÀO NORMAL HORÁRIO MOLHADO SECO MICÇÀO NORMAL

1:00h 13:00h

2:00h 14:00h

3:00h 15:00h

4:00h 16:00h

5:00h 17:00h

6:00h 18:00h

7:00h 19:00h

8:00h 20:00h

9:00h 21:00h

10:00h 22:00h

11:00h 23:00h

12:00h 24:00h

Page 97

97

C
A
D

E
R

N
O

S
D

E
A
T
E

N
Ç

Ã
O


B

Á
S

IC
A

No caso de não haver um diagnóstico claro quanto à origem da incontinência
urinária, pode-se utilizar o seguinte algoritmo de tratamento:

FIGURA 7: ALGORITMO PARA TRATAMENTO NA INCONTINÊNCIA URINÁRIA

Page 191

191

C
A
D

E
R

N
O

S
D

E
A
T
E

N
Ç

Ã
O


B

Á
S

IC
A

A saúde bucal em Curitiba: Boqueirão, boca maldita, bocas saudáveis. Rio de Janeiro: Cebes; 2002. p. 133-61.

MOYSÉS SJ, TALBOT Y et al. Ferramentas de descrição das famílias e seus padrões de relacionamento –
Genograma – uso em Saúde da Família. Rev. Médica do Paraná 1999; 57(no 1/2): 28-33.

MULLAAY CM. The case manager’s handbook. Gaithersburg,MD: Aspen Publisher, 1998.

NADI/HCFMUSP. Orientações sobre serviços funerários. São Paulo, 2006.

NATIONAL ASSOCIATION OF PROFESSIONAL GERIATRIC CARE MANAGERS. “Benefits of Membership”.
Disponível em: http://www.caremanager.org/gcm/htm.

NATIONAL INSTITUTE OF HEALTH. “Geriatric Assessmentt methods for clinical Decision-making”. Disponível
em: http://www.nlm.nih.gov.

NIH CONSENSUS DEVELOPMENT PANEL. Osteoporosis Prevention, Diagnosis and Therapy. JAMA 2001;
285:785-95.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE. Cuidados inovadores para condições crônicas: componentes
estruturais de ação. Relatório Mundial. Brasília, 2003.

ORGANIZACIÓN PANAMERICANA DE LA SALUD. Guia Clínica para Atención Primaria a las Personas
Mayores. 3ª ed. Washington: OPAS, 2003.

ORGANIZACIÓN PANAMERICANA DE LA SALUD. Guia Clínica para Atención Primaria a las Personas
Mayores. 3ª ed. Washington:OPAS, 2003.

ORWOLL E, et al. Alendronate for the treatment of osteoporosis in men. N Engl J Med 2000; 343:604-10.

PARKER M. Positioning care management for future health care trends. GCM J. 1998; 8:4-8.

PAVARINI SCI; NERI AL. Compreendendo dependência, independência e autonomia no contexto domiciliar:
conceitos, atitudes e comportamentos. In: DUARTE YAO; DIOGO MJD. Atendimento Domiciliar: um enfoque
gerontológico. São Paulo, Atheneu, 2000.

PELLANDA LC et al. Atestados, certificados e registros. In: DUNCAN BB; SCHMIDT MI, GIUGLIANI ERJ.
Medicina ambulatorial: conduta de Atenção Primária baseada em evidências. 3ª ed. Porto Alegre: Artmed,
2004.p.150-4.

PHYSYCIAN’S. Guide to prevention and treatment of osteoporosis National Osteoporosis Foundation, 1998
Washington, D.C. USA.

RAMOS LR. Os fármacos e os idosos. In: GORZONI ML; TONIOLO NETO J. Terapêutica clínica no idoso.
São Paulo. Sarvier.1995. p. 3-7.

Recomendações de Terapia Anti-retroviral em Adultos e Adolescentes Infectados pelo HIV 2006

RECOMMENDATIONS FOR THE PREVENTION AND TREATMENT OF GLUCOCORTICOID-
INDUCED OSTEOPOROSIS -2001 update American College of Rheumatology Ad Hoc Committee on
Glucocorticoid-Induced Osteoporosis. Arthritis Rheumat 2001; 44: 1496-1503.

REID DM, HUGHES RA, LANN RFJM, SACCOGIBSON NA,WENDEROTH DH, ADAMI S, EUSEBIO RA,
DEVOGELAER J-P. Efficacy and safety of daily Residronate in the treatment of corticosteroid-induced Osteoporosis
in men and women: a randomized trial. J Bone Miner Res 2000; 15:1006 -13.

SECOLI SR, DUARTE YAO. Medicamentos e Assistência Domiciliária. In: DUARTE YAO; DIOGO MJD.
Atendimento Domiciliar: um enfoque gerontológico. São Paulo: Atheneu, 2000.

SECORD L, PARKER M. Private Case Management for older persons and their families. MN: Interstudy; 1997.

SILVA MJP. A importância da comunicação verbal e não verbal no cuidado domiciliar de idosos. In: DUARTE

Page 192

192
C

A
D

E
R

N
O

S
D

E
A
T
E

N
Ç

Ã
O


B

Á
S

IC
A

YAO; DIOJO MJD. Atendimento domiciliar: um enfoque gerontológico. São Paulo: Atheneu, 2000.

SILVA MJP. Comunicação tem remédio: a comunicação nas relações interpessoais em saúde. São Paulo, Ed.
Gente, 1996.

SIRENA AS; MORIGUSHI EH. Promoção e Manutenção da Saúde do Idoso. In: DUNCAN BB; SCHMIDT
MI, GIUGLIANI ERJ. Medicina ambulatorial: conduta de Atenção Primária baseada em evidencias. 3ª ed. Porto
Alegra: Artmed, 2004.p.576-85.

SIRIS ES, MILLER PD, BARRET-CONNOR E, et al Identification and fracture outcomes of undiagnosed low
bone mineral density in postmenopausal women. Results from the National Osteoporosis Risk Assessment
JAMA 2001; 286:2815-22.

SOARES AM; MATIOLI MNPS; VEIGA APR. AIDS no Idoso. In: FREITAS EV. Tratado de Geriatria e Gerontologia.
Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006. p. 870-82.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE REUMATOLOGIA. Consenso Brasileiro de Osteoporose. Ver Brsa Reum
2002; 42.

TEIXEIRA INAO. Definição de fragilidade em idosos: uma abordagem multiprofissional. [ dissertação] Campinas
(SP): Faculdade de Educação da Universidade de Campinas, 2006.

TORGERSON DJ, BELL-SYER SE. Hormone replacement therapy and prevention of vertebral fractures: a
meta-analysis of randomized trials. JAMA 2001; 285: 2891-7.

VAN STAA TP, LEUFKENS HGM, ABENHAIM L, ZHANG B COOPER C. Use of oral corticosteroids and risk
of fractures. J Bone Miner Res 2000; 15: 993-1000.

VERBRUGGE LM; JETTE AM. The disablement process. Journal Soc Sci Med 1994; 38(1):1-14.

WATT NB. Clinical Utility of biochemical markers of bone remodeling. Clinical Chemistry 1999; 45: 1359-68.

WIMALAWANSA SJ. A four-year randonized trial of hormone replacement and bisphosphonate, alone and in
combination, in women with postmenopausal osteoporosis. AM J Med 1998; 104: 219-226.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Envelhecimento ativo: uma política de saúde. Tradução Suzana Gontijo.
Brasília: Organização Pan-Americana de Saúde, 2005.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Towards Age-friendly Primary Health Car. Geneva, 2004.

Similer Documents