Download HTML 5 PDF

TitleHTML 5
File Size478.8 KB
Total Pages36
Document Text Contents
Page 1

Maurício Samy Silva

Novatec

Page 2

OGF20110616

Copyright © 2011 da Novatec Editora Ltda.

Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998.
É proibida a reprodução desta obra, mesmo parcial, por qualquer processo, sem prévia autorização,
por escrito, do autor e da Editora.

Editor: Rubens Prates
Capa: Carolina Kuwabata
Revisão gramatical: Débora Facin
Editoração eletrônica: Camila Kuwabata e Carolina Kuwabata

ISBN: 978-85-7522-261-4

Histórico de impressões:

Julho/2011 Primeira edição

Novatec Editora Ltda.
Rua Luís Antônio dos Santos 110
02460-000 – São Paulo, SP – Brasil
Tel.: +55 11 2959-6529
Fax: +55 11 2950-8869
E-mail: [email protected]
Site: www.novatec.com.br
Twitter: twitter.com/novateceditora
Facebook: facebook.com/novatec
LinkedIn: linkedin.com/in/novatec

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)
(Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil)

Silva, Maurício Samy
HTML 5 / Maurício Samy Silva. -- São Paulo :
Novatec Editora, 2011.

Bibliografia.
ISBN 978-85-7522-261-4

1. HTML (Linguagem de programação para
Internet) 2. Internet (Rede de computadores)
3. Websites - Desenvolvimento I. Título.

11-06541 CDD-005.133

Índices para catálogo sistemático:

1. HTML : Linguagem de programação para
Internet : Desenvolvimento de sites : Ciência
da computação 005.133

Page 18

35Capítulo 1 ■ Apresentação da HTML5

1.5.3.3 Tratamento de erros

Esse princípio estabelece que os erros de marcação devem ser tratados de modo a
não frustrar o usuário apresentando-lhe uma mensagem de erro. Nos casos de erro
é preferível um mecanismo de degradação graciosa a uma mensagem de erro fatal.

1.5.4 Acesso universal

Acesso universal visa a garantir o acesso às funcionalidades da HTML5 pelo maior
número possível de dispositivos e sistema segundo os princípios a seguir:

1.5.4.1 Independência de mídia

As funcionalidades da HTML5 devem, sempre que possível, funcionar nos mais
variados tipos de plataformas, dispositivos e mídias. Isso não significa que determi-
nada funcionalidade deva ser descartada porque não é suportada por essa ou aquela
plataforma. Por exemplo: funcionalidades de interação não devem ser descartadas
pelo fato de não serem suportadas em mídia impressa, como ocorre com o elemento
a que simplesmente não funciona quando impresso.

1.5.4.2 Suporte multilíngua

Essa funcionalidade visa a facilitar a produção de documentos nos diferentes idio-
mas existentes no mundo.

1.5.4.3 Acessibilidade

Essa funcionalidade visa a facilitar o acesso ao conteúdo independentemente do
dispositivo ou das necessidades especiais do usuário. Isso não significa que uma
funcionalidade deva ser descartada se um grupo de usuários não tiver acesso a ela,
mas se devem prever meios alternativos de acesso. É o caso do elemento img que não
deve ser banido porque usuários cegos não conseguem ver imagens. Usa-se o atributo
alt para fornecer um meio alternativo de acesso à imagem para aqueles usuários.

Page 19

HTML 536

1.6 Diferenças entre HTML5 e HTML4
As principais diferenças entre a HTML5 e a HTML4 têm suas origens no fato de
a HTML5 estar sendo desenvolvida com o propósito de substituir tanto a HTML
criada nos anos 90 quanto a XHTML que foi uma tentativa frustrada de reformular
a HTML4 como uma aplicação XML.

1.6.1 Introdução

A especificação para a HTML5 iniciada no ano de 2004 e incorporada pelo W3C
no ano de 2007 tem como objetivo geral estudar e resolver problemas relacionados
à implementação de um HTML contemporâneo e ao mesmo tempo compatível com
conteúdos existentes. Para cumprir esse objetivo, considera os seguintes pontos:

■ Definição de uma linguagem única denominada HTML5 que pode ser escrita
tanto com a sintaxe HTML quanto com a sintaxe XML.

■ Definição de modelos de processamento detalhados com vista a promover a
interoperabilidade da linguagem.

■ Aperfeiçoamento da marcação dos documentos.

■ Criação de marcação e APIs para novas tecnologias, tais como as aplicações
Web.

Nesse contexto, podemos agrupar as diferenças entre as duas linguagens nas
seguintes áreas:

1.6.1.1 Retrocompatibilidade

A HTML5 está sendo desenvolvida em dois níveis de requisitos de conformidades.
Requisitos para autores e requisitos para agentes de usuário. Considere, para ilustrar
a diferença nessa área, os elementos isindex e plaintext. De acordo com a HTML4,
esses elementos estão em desuso (deprecated) e seriam banidos das próximas es-
pecificações para a HTML. Segundo os princípios de desenvolvimento da HTML5,
esses elementos perdem sua condição de “em desuso” e passam a ser considerados
elementos obsoletos (obsoletes). A diferença é que eles não serão banidos da espe-
cificação. Continuarão constando como requisitos para agentes de usuário e seu
uso pelos autores é desaconselhado.

Page 35

HTML 552

<script src="path/modernizr-1.5.min.js"></script>
<script src="scripts.js"></script>
</head>
<body>
<!-- Aqui os conteúdos da página -->
</body>
</html>

Nessa versão o template é compatível com a sintaxe XML e apto a valer-se das
funcionalidades da XML devendo ser servido com o tipo de MIME application/xml
ou application/xhtml+xml.

Em documentos XML, não há necessidade da declaração de DOCTYPE, pois por
padrão a renderização acontece em modo standard. Também não há necessidade de
declaração da codificação de caracteres, pois por padrão ela é em UTF-8. Contudo,
é indispensável que se declare o atributo xmlns no elemento-raiz do documento
apontando para o arquivo que contém o namespace para XML. Notar ainda que o
atributo para definição do principal idioma no qual os conteúdos do documento
foram escritos é xml:lang e não lang como na sintaxe HTML.

1.8.6 Template XHTML5 – versão 3

Com a chegada da HTML5, o Consórcio W3C criou o conceito de marcação poliglota
e publicou especificações e diretrizes para a criação de tal marcação.

As especificações definem marcação poliglota assim:

Documento que usa marcação poliglota é um documento HTML5, que é, ao
mesmo tempo, um documento HTML e XML escrito conforme um conjunto
de regras definidas. Marcação poliglota é processada e compatível com a
HTML e com a XHTML, segundo as regras das especificações para a HTML5.

Nessa versão o template usa uma marcação poliglota, conforme segue:

<!DOCTYPE html>
<html xmlns="http://www.w3.org/1999/xhtml" lang="pt-br" xml:lang="pt-br">
<head>

<meta charset="utf-8" />
<title>Template</title>
<meta name="description" content="Template HTML5 do livro do Maujor." />
<meta name="keywords" content="lista de palavras-chave" />
<meta name="author" content="Mauricio Samy Silva" />
<meta name="generator" content="HTML-Kit 292" />

Page 36

53Capítulo 1 ■ Apresentação da HTML5

<meta name="robots" content="all" />
<link rel="stylesheet" href="mais.css" />
<style>
/* estilos incorporados */
</style>
<script src="path/modernizr-1.5.min.js"></script>
<script src="scripts.js"></script>
</head>
<body>
<!-- Aqui os conteúdos da página -->
</body>
</html>

A marcação poliglota deve satisfazer aos seguintes requisitos:

O DOCTYPE, como prevê a XML, deve ser declarado em maiúsculas e o html
que se segue ao DOCTYPE deve ser em minúsculas. Lembre-se de que em HTML
a sintaxe é insensível ao tamanho de caixa, mas em marcação poliglota é rígida.

Os elementos html, head, title e body devem obrigatoriamente constar da marcação.

O elemento html deve obrigatoriamente conter os atributos xmlns, lang e xml:lang.

Os namespaces XML permitidos em marcação poliglota são aqueles para as
tecnologias SVG e MathML e devem ser declarados nos elementos svg e math res-
pectivamente, conforme sintaxe mostrada a seguir:

<svg xmlns = "http://www.w3.org/2000/svg">...</svg>
<math xmlns="http://www.w3.org/1998/Math/MathML">...</math>

O outro namespace permitido é para xlink que pode ser declarado tanto no
elemento html quanto no elemento svg que contenha essa funcionalidade, como
mostrado a seguir:

<html xmlns="http://www.w3.org/1999/xhtml"
xmlns:xlink="http://www.w3.org/1999/xlink" lang="pt-br" xml:lang="pt-br">

ou

<svg xmlns:xlink="http://www.w3.org/1999/xlink">...</svg>

A declaração de caracteres deve constar da seção head do documento.

A sintaxe da marcação deve seguir as regras da XML. Para maiores informações
sobre sintaxe XML, consulte: http://www.maujor.com/w3c/xhtml10_2ed.html e http://www.maujor.
com/w3ctuto/xhtmlfaq.html.

Similer Documents